segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sentinela do Norte: A Ilha Proibida


Imagine um lugar completamente isolado, onde seus habitantes desconhecem todo e qualquer tipo de tecnologia moderna e vivem como nossos antepassados a milhares de anos atrás. Agora imagine que se encontra em alto mar e se depara com uma ilha, aparentemente comum, porém ao desembarcar lá você e seus companheiros são atacados por nativos furiosos. Parece uma cena de filme ou de um livro de aventura, mas não é! Essa é a Ilha Sentinela do Norte, localizada entre Mianmar e a Indonésia, no Oceano Índico, na qual habita uma das tribos mais isoladas do planeta, resistindo ao tempo e a todo tipo de contato com outros povos, mantendo suas tradições milenares.

A tribo da ilha com quase 60 mil anos ficou conhecida por sua hostilidade, atacando todos que tentem visitar o local, ganhando a fama de lugar mais difícil de visitar no mundo. Conhecidos como sentinelenses, os habitantes apresentam características semelhantes à das tribos africanas, o que sugere que os mesmos descendam das primeiras levas de humanos que deixaram a África. Não se sabe ainda qual a população total da ilha, mas estima-se que se encontra entre 40 e 500 indivíduos.


Todas as tentativas de contato com os sentinelenses fracassaram. Para eles não importa o motivo da visita, sempre receberão os estrangeiros com arcos e lanças em posição de ataque, nem mesmo presentes e comida interessam a eles. Inclusive, em 2004, após a ilha ser assolada por uma tsunami, os nativos ofereceram resistência às tentativas de ajuda de socorristas indianos. Utilizando um helicóptero da marinha indiana, os socorrista foram em busca de sobreviventes e tentaram entregar pacotes de comida, contudo, mais uma vez a hostilidade dos sentinelenses veio à tona, quando guerreiro da tribo surgiu da selva e atirou uma flecha contra o helicóptero.

Nativo apontando seu arco e flecha
para o helicóptero
Devido ao grande isolamento da tribo, pouco se sabe sobre seus hábitos, sua língua ainda não foi compreendida e suas moradias ficam dentro da mata fechada, impedindo qualquer tipo de estudo pelo ar. Tudo o que se sabe sobre os sentinelenses é que vivem como os humanos do período Neolítico, vivendo da caça e da coleta e aparentemente não cultivam nada. Provavelmente sobrevivem de peixes, frutas, tubérculos, aves e porcos selvagens, lagartos e mel.

O território da Ilha Sentinela do Norte pertence à Índia, porém os membros da tribo sequer devem saber da existência da mesma. Após inúmeras tentativas fracassadas de fazer contato amigável, o governo indiano acabou deixando a ilha de lado e proibiu qualquer visita ao local. Uma zona de segurança de 3 milhas foi estabelecida pela marinha indiana para resguardar a ilha dos curiosos, porém mesmo sobre a custódia do governo, alguns encontros acidentais acontecem.

A Ilha dos sentinelenses rendeu boas histórias aterrorizantes. Em 1896, um prisioneiro fugiu de uma das prisões britânicas de Andamans, ficando à deriva no mar. Alguns dias depois, um grupo de busca encontrou seu cadáver degolado e com várias perfurações de flechas. Em 1974, um grupo de antropólogos foi até a ilha na tentativa de gravar um documentário, mas o diretor acabou atingido por um flecha na perna e cancelou os estudos.

Segundo o antropólogo indiano T.N. Pandit que realizou várias visitas técnicas à ilha entre fim da década de 80 e início dos anos 90, os nativos quando não os atacavam, viravam-se de costas para a sua equipe e agachavam como se fossem defecar, o que provavelmente significava uma forma insulto, mostrando aos pesquisadores que eles não eram bem-vindos. No entanto, houve uma única vez em que os sentinelenses não hostilizaram os estrangeiros. Esse episódio ocorreu em 4 de janeiro de 1991, quando um grupo de 28 pessoas formado por homens, mulheres e crianças, se aproximou com Pandit e sua comitiva. "Foi inacreditável como eles se apresentaram ao nosso encontro voluntariamente", disse ele. "Eles devem ter decidido que havia chegado a hora de entrar em contato com outras pessoas". Entretanto, esse foi um caso isolado, pois todas as visitas posteriores enfrentaram novamente agressividade dos habitantes.

Sentinelenses (Foto: Christian Caron)
O último contato com os sentinelenses foi realizado em 2006 e teve um final trágico: dois pescadores foram mortos após adentrarem ilegalmente a zona de segurança da marinha.

Atualmente existe um consenso de que os sentinelenses devam permanecer isolados e não entrar em contato com o mundo globalizado, haja vista os grandes malefícios que podem ser causados a eles, principalmente na desestabilização de sua cultura, como ocorreu com diversas tribos no mundo todo e ainda a exposição a doenças às quais não são imunes. 

De certa forma, a Ilha Sentinela do Norte é um grande presente para a humanidade, pois ela resguarda um passado longínquo, um tempo que não está guardado na memória da civilização moderna, um período que está enterrado em quase todo o mundo, mas que os sentinelenses nos fizeram o favor de preservar.


Autor: Áviner Reis, Taberna do Fauno

Fontes Consultadas:

5 comentários:

  1. ESPERO QUE DEIXEM ESSES HABITANTES SOSSEGADOS....

    ResponderExcluir
  2. se encontrarem petróleo ou algum metal valioso, esse povo vai virar história em minutos

    ResponderExcluir
  3. Podem me chamar de maluco, doido, neurotico ou pior mas com 60.000 anos ai tem coisa viu!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Tem qe ir lá e passar o rodo em todo mundo ."brincadeira kkkkkk"

    ResponderExcluir