quarta-feira, 6 de maio de 2015

10 Armas Estranhas da Antiguidade


Não é nenhum segredo que a humanidade, desde seus primórdios, guerreou e lutou para sobreviver às mais diversas ameaças. Vencemos feras gigantes e sobrevivemos graças à nossa incrível capacidade de criar objetos para defesa e, principalmente, para ataque. Contudo, os animais deixaram de ser nossas maiores ameaças com passar dos séculos, pois passamos a guerrear entre nós mesmos. A guerra tornou-se uma atividade comum, de tempos em tempos eclodiam conflitos e para vencê-los o homem utilizou sua imaginação para criar as mais diferentes armas. Embora houvessem armas semelhantes, como as espadas, arcos e lanças, fabricadas em quase todo o mundo, cada povo criou armas específicas e muitas eram tão peculiares que causam estranheza até os dias de hoje. Com base nisso, confira abaixo a lista das mais estranhas armas já criadas pelo homem da Antiguidade.


10 – Tacape Maori:
Usado pelos membros da tribo Maori, da Nova Zelândia, essa arma de aparência simples, mas muito sólida, era construída com jade do tipo nefrite. Estranhamente, os Maoris usavam esse porrete de 30 a 50 centímetros para socar ou arremessar, ao invés de bater de cima para baixo como usualmente se fazia com armas semelhantes. Para o povo, tal arma possuía um grande significado espiritual. Os porretes ganhavam nomes e eram passados de geração para geração. Eles até acreditavam que o objeto possuía mana (força espiritual) por natureza. Os porretes simbolizavam a liderança e eram devidamente venerados. Quando um porrete considerado importante era perdido, a tribo realizava grandes esforços para localizar e entregar ao respectivo dono.


9 – Espadas gancho:
Talvez essa arma seja uma das mais conhecidas dessa lista. As espadas gancho chinesas eram frequentemente carregadas pelos, quase sempre, calmos monges Shaolin do norte chinês. Lindas e artisticamente construídas, as lâminas eram curvadas até parecer um anzol, o que permitia o portador conectá-las, formando uma arma de longo alcance. Elas eram ótimas para bloquear golpes, assim como cortar inimigos que chegassem muito perto. Uma das extremidades era em forma de lâmina, para ataques de curta distância. Alguns modelos de espadas gancho chegavam a quase dois metros e eram usadas mais pelos civis, já que o exército não as possuía.


8 – Kpinga:
A kpinga era uma faca usada pelos experientes guerreiros da tribo Azande. O povo Zande habitava a antiga Núbia, uma região africana formada pelo norte do Sudão e o sul do Egito. A faca (também conhecida pelo apelido Hunga Munga) tinha até 60 centímetros de comprimento e possuía três lâminas. A lâmina que ficava próxima à mão tinha o formato de genitais masculinos, representando o poder do homem. O alinhamento das lâminas aumentava a chance de empalar o inimigo. Quando o portador da arma se casava, ele presenteava a família da noiva com a kpinga.


7 – Macuahuitl:
O macuahuitl era basicamente um largo pedaço de madeira, em formato de espada, com lâminas de obsidiana (cristal vulcânico) cravadas nas laterais. Já que ela não possuía uma ponta, era incapaz de ser usada para perfuração. Todavia, as lâminas conferiam um atlo poder de corte. A madeira era pesada e sólida o suficiente para ser usada como porrete, permitindo aos Astecas capturar o adversário vivo e o usassem nos célebres rituais de sacrífico. Há registros de maquahuitls capazes de decapitar um cavalo, o que nos leva a imaginar o estrago que essa estranha "espada" poderia causar a um homem.


6 – Tesoura:
Essa arma de aparência única era usada nas arenas, pelos gladiadores do antigo Império Romano. O interessante é que os guerreiros que as utilizavam nos combates eram conhecidos também como “tesouras”. O compartimento de metal formava um longo cilindro para o braço do gladiador, permitindo bloquear, usar como proteção, aparar e contra-atacar. Feita de aço pesado, a tesoura media aproximadamente 50 centímetros. Era incrivelmente leve, pesando em torno de 3 kg, o que permitia ser manuseada com grande velocidade. Essas características certamente a tornaram uma das favoritas do público que visitavam os gladiatórios.


5 – Chakram:
Não, o chakram não é um frisbee assassino. Muito pelo contrário, o chakram era comumente arremessado na vertical. O círculo mortal de aço tinha em torno de 30 centímetros de diâmetro e suas bordas eram extremamente afiadas, o que permitia cortar braços e pernas com facilidade. Originário da Índia, ele foi usado extensivamente pelos famosos Sikhs. Ele podia ser amontoado e arremessado várias vezes. Um dos métodos de uso mais interessantes e complexos era rodar o chakram no dedo indicador e com um movimento do pulso arremessar a lâmina no oponente.


4 – Chu Ko Nu:
Outra invenção dos chineses, o chu ko nu é pode ser considerado um ancestral distante do rifle automático. A caixa de madeira acoplada à besta alocar dez flechas, colocadas no gatilho após a outra ser atirada. Um fato interessante é que o último uso do chu ko nu foi durante as guerras sino-japonesas, em 1894 e 1895, muitos anos depois do surgimento das armas de fogo. A arma podia atirar uma média de dez flechas em 15 segundos, o que é um grande avanço se comparado com os arcos e bestas anteriores. Para um feito mais mortal, costumava-se banhar os dardos em veneno.


3 – Ninho de Abelhas:
Novamente temos os chineses, com uma quarta arma na lista. Sem dúvida eles tinham a indústria bélica mais criativa da antiguidade. O terceiro lugar vai para o ninho de abelhas, ou fogo voador. O ninho consiste basicamente em um estojo de madeira cheio de tubos hexagonais que vistos frontalmente lembravam uma colmeia. Dentro de cada tubo está uma flecha “foguete”. O sistema de fogo lançava os projéteis com mais força que qualquer arco tradicional. Até 32 flechas podiam ser lançadas do ninho, de uma só vez. Os chineses utilizavam milhares delas ao mesmo tempo, causando grandes baixas nos exércitos inimigos.


2 – Katar:
Semelhantes às garras do X-man, Wolverine, esta bela arma indiana conferia ao guerreiro lâminas e garras afiadas que eram acopladas nos punhos. O katar parece, à primeira vista, uma lâmina única, mas quando um gatilho era ativado, dividia-se em três. O fato de ser composta por três lâminas não apenas tornava a arma mais efetiva, mas também intimidadora. A posição da arma nas mãos também facilitava o bloqueio de golpes. O design diferente tinha ainda outro propósito: a lâmina tripla conseguia facilmente atravessar a maioria das armaduras asiáticas.


1 – Zhua:
Uma simples olhadinha nesse objeto bizarro é mais do que suficiente para colocá-lo no primeiro lugar da lista. Não se engane que esta ‘mãozinha’, ela não serve para coçar as costas. É outra invenção mirabolante dos chineses (eles são bons em bizarrices, não?), a mão de ferro no final do Zhua era capaz de penetrar e arrancar a pele dos inimigos. Só o peso do zhua já era capaz de matar uma pessoa, mas as garras o tornavam ainda mais perigoso e eficaz. Quando empunhado por um guerreiro hábil, podia ser usado para derrubar soldados montados em cavalos. Contudo, o objetivo principal da estranha ferramenta era arrancar os escudos dos inimigos, deixando-os expostos à terrível mão com garras de ferro.

Fonte: ListVerse

2 comentários: