quarta-feira, 13 de junho de 2018

Uma breve história da Astronomia na Antiguidade


A Astronomia é, sem dúvida, a ciência mais antiga de toda história de nossa espécie. Desde os primórdios da humanidade, antes mesmo da invenção da escrita, o homem já era fascinado pelo céu e seus mistérios, buscando desvendar o que havia além das nuvens. Do que se tratavam aqueles pontos luminosos no infindável tecido negro que se estendia pelos céus noturnos? Quais segredos guardavam dos olhares curiosos de nossos ancestrais primitivos? Por muito tempo, não foi possível responder tais perguntas e mesmo com o avanço da ciência astronômica moderna, há muito para descobrirmos. Mas isso não impediu os antigos humanos de utilizarem as estrelas a seu favor. Os astros e estrelas foram utilizados como uma ferramenta indispensável na evolução da espécie humana, sendo empregados na datação de calendários, relógios, mapas, nas navegações, previsões do tempo, na agronomia, na caça, entre muitas outras utilidades.

sábado, 12 de maio de 2018

Literatura Medieval - Trovadorismo


1 - Introdução:
A Idade média, como sabemos, é o  período histórico marcado pelo grande poder hegemônico da Igreja Católica. Econômica e politicamente forte, ela representava o papel de grande centro produtor de cultura. Todo o trabalho intelectual respeitado se desenvolvia nos monastérios, de onde provinham as leis, os dogmas e as "verdades" a serem respeitadas e repetidas.


sábado, 23 de dezembro de 2017

O Pequeno Monge e o Samurai



Há alguns séculos, no antigo Japão feudal, os samurais eram uma das castas mais nobres e honradas da sociedade. Gozavam de enorme prestígio e honra, sendo respeitados e temidos por sua coragem e habilidade como espadachins. Mas nem todos o temiam...


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Os monges e a mulher no Rio


Há um antigo conto budista que relata a seguinte situação:

Há quase dois milênios, na Índia antiga ou em algum monastério budista próximo ao atual território indiano, viviam dois monges que eram muito amigos e sempre cumpriam seus afazeres em conjunto.

É fato que monges não podem se aproximar de mulheres, nem ao menos, nelas tocar, pois esta é uma das maiores regras do código de conduta de um monge, o Vinaya.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Seiganto-ji - O belíssimo "Templo das Ondas Azuis"


Seiganto-ji, o Templo das Ondas Azuis, é um templo budista da escola Tendai japonesa, localizado na rota de "Kumano", Província de Wakayama. Em 2004 foi listado como Patrimônio Mundial da UNESCO, juntamente com outras localidades sob o título "Lugares Sagrados e Rotas de Peregrinação na Cordilheira Kii". Segundo a lenda local, a fundação do santuário remonta ao reinado do Imperador Nintoku (313-399). Naquele tempo, Ragyō Shōnin, um monge budista indiano, seguia o rio que corta a região em busca de um lugar pacífico para praticar ascetismo e escolheu o sopé da montanha onde descem as belíssimas cachoeiras Nachi. Após praticar uma técnica de austeridade conhecida com shugyō, a Bodhisatva da Compaixão, Kannon se revelou para ele entre as águas da cachoeira. Sendo um sinal muito auspicioso, o monge decidiu então, em homenagem à divindade, erguer o eremitério e futuro templo.